Ir de Ideias para Produtos

Num momento em que a inovação e o desenvolvimento de novos produtos são vitais para se manterem competitivas, as grandes organizações estão buscando maneiras de gerar e executar novas ideias de produtos, enquanto mitigam riscos. Cada vez mais, essas empresas procuram criar uma cultura de startup como um meio para gerar inovação.

Embora muitas ideias potencialmente válidas sejam identificadas, poucas são perseguidas quando a empresa não tem a estratégia e infra-estrutura para trazer essas ideias para a realidade. Muitas empresas não têm a capacidade de transformar ideias em produtos, mesmo que apenas desenvolver protótipos e colocá-los nas mãos dos usuários em um prazo razoável.

Desenvolver um mecanismo eficiente para conduzir produtos desde a fase de ideia para protótipo inicial (e, em seguida, para o mercado) tem benefícios significativos:

  • Validação de ideia mais rápida. O ciclo de desenvolvimento de produto começa muito mais cedo e o tempo de validação é encurtado. Isso permite que a empresa chegue a um decisão de produto “vai / não vai” dentro de semanas em vez de bimestres.
  • Avaliação de risco de ideia mais barata e rápida versus lançamento de um produto totalmente desenvolvido.
  • Gestão tem a oportunidade de estar envolvida na avaliação do produto, em vez de ser removida do processo de desenvolvimento e validação de produto.
  • Sensação de recompensa maior para o(s) gerador(es) da ideia, promovendo uma cultura de inovação para a empresa como um todo.

São identificadas abaixo várias ferramentas para a condução de produtos desde a fase de geração de ideias, protótipo inicial e, em seguida, para o mercado:

Prototipagem rápida

Um método menos custoso e arriscado para testar a viabilidade do produto e trazer produtos e serviços para o mercado é Prototipagem Rápida. Trata-se de instituir processos para converter rapidamente ideias, mesmo que elas estejam apenas 25-50% completas, em produtos vivos que podem ser colocados nas mãos de potenciais usuários ou testadores. Zynga, a empresa de jogos sociais, foi pioneira em liberar jogos que eram menos de 100% concluídos e aproveitar o feedback do usuário para aperfeiçoamento do produto. Enquanto o modelo de negócio da Zynga foi testado ao longo dos últimos anos, a sua capacidade de desenvolver, iterar e melhorar os seus jogos rapidamente pode ser alavancada amplamente em desenvolvimento de software e produtos.

Prototipagem rápida tem vários requisitos e atributos, incluindo:

  • Experiência em desenvolvimento de produto robusta e flexível, pois as ideias podem ter natureza ampla.
  • Capacidades de desenvolvimento acelerado, frequentemente executadas sem um conjunto completo de necessidades dos utilizadores.
  • Capacidade de desenvolvimento interno rápido ou terceirização eficaz através de fortes relações com terceiros. Ambas as abordagens normalmente exigem a introdução de pessoal e metodologias externos.

Aproveitar recursos internos para a geração de ideias

Acessar recursos internos normalmente subutilizados da organização pode ajudar a gerar soluções para as dificuldades do cliente. No processo, todavia, a organização pode produzir um número incontrolável de ideias, muitas das quais não são dignas de produto ou suportadas por um modelo de negócios forte. Enquanto apenas uma em cada 20 ideias podem valer a pena explorar, vários produtos de grande impacto podem resultar de esforços internos de geração de ideia.

A fim de gerar e gerir ideias originadas internamente de forma adequada, as empresas devem abordar o seguinte:

  • Criar um repositório de ideias, geradas a partir de toda a organização, incluindo problema abordado, características, casos de uso e autores.
  • Desenvolver uma metodologia fácil e descomplicada para avaliar ideias.
  • Classificar ideias com base em necessidade do cliente e probabilidade de sucesso comercial.
  • Estimar recursos necessários para prototipagem inicial e produto mínimo viável (MVP).
  • Criar um loop de feedback para as ideias que passam a triagem inicial. Mantenha o criador informado e ofereça a oportunidade de ficar envolvido com a ideia à medida que ela avança pelas fases de teste e desenvolvimento.

Labs Corporativos

Algumas grandes organizações multinacionais, tais como MasterCard e Deutsche Telekom, têm desenvolvido “laboratórios” internos para gerar ideias de novos produtos e trazer esses produtos ao mercado. Estes laboratórios têm vários objetivos, incluindo:

  • Desenvolver uma plataforma e metodologia para a geração de novas ideias.
  • Criar consciência interna acerca da busca da empresa por novos produtos.
  • Estabelecer um veículo para o desenvolvimento e validação internos de produto.
  • Criar uma plataforma para interagir com desenvolvedores e parceiros externos.
  • Sinalizar ao mercado que a organização está interessada em parcerias e colaboração externas.
  • Identificar potenciais parceiros e/ou alvos de aquisição.

Embora um laboratório interno possa ser um veículo eficaz para a geração de ideias e o desenvolvimento de produtos, ele também pode criar a percepção internamente de que o grupo é meramente uma iniciativa específica “skunk works” e não central para o negócio. A gestão deve ser diligente na integração de mensagem, metodologia e pessoal do laboratório na organização como um todo, a fim de facilitar a colaboração efetiva de toda a empresa.

Conclusão

Inovação de produtos e lançamento de novos produtos ao mercado rapidamente é cada vez mais importante, mas muitas vezes difícil de executar. Gestão pode ajudar através do desenvolvimento de um ambiente que suporta prototipagem rápida, colhendo ideias internas, assumindo riscos calculados e eliminando o atrito na obtenção de produtos desenvolvidos e nas mãos dos potenciais usuários. Produtos gerados internamente podem resolver as dificuldades do cliente e, com o devido reconhecimento, funcionários inspirados podem continuar a produzir ideias inovadoras para os anos seguintes.

Por: Tal Raeside | Tradução por: Filipe Costa

Sobre o Autor

Tal Raeside é Managing Director na Insight Strategic Services, empresa de consultoria focada nas indústrias de mobile, mídia, tecnologia e convergência digital em todo o mundo. Ele trabalha com empresas Fortune 500, start-ups e empresas líderes de tecnologia em estratégia, inovação e desenvolvimento de produtos. Ao longo dos últimos 20 anos Tal tem servido como um executivo sênior, conselheiro, consultor de gestão e empreendedor com foco na execução de estratégia global, parcerias e fomento da inovação dentro das organizações grandes e pequenas em todo o mundo. Ele obteve seu MBA com honras pela University of Chicago Booth School of Business e ganhou seu B.S. com honras pela Carnegie Mellon University.

Foto: Strategy Flowchart por Shutterstock.com

 

Ad

STAY CONNECTED

 
Ad