Inovando onde a empresa se preocupa: Desenvolvimento de áreas de Inovação Estratégica

Quase todos os gerentes de inovação podem contar histórias de grandes ideias, conceitos e produtos que as pessoas amam porém nunca são implementados. O modelo de negócio encorpa e é tecnicamente viável, mas encontrar apoio e orçamento parece ser impossível. Como inovadores, estamos frequentemente sujeitos a restrições comerciais constantes. A maneira mais rápida de tirar as ideias do papel é garantir que estejam alinhadas com a agenda de nível C, tanto a curto e longo prazo.

A falta de alinhamento significa que grandes ideias caem em desuso ou são colocadas na parte inferior da lista de afazeres sem nunca serem implementadas. Há uma série de técnicas que os inovadores colocam em prática para resolver este desafio, mas os mais bem sucedidos garantem que inovam em linha com os objetivos comerciais desde o primeiro dia.

Áreas de Inovação Estratégica


Um desafio fundamental para todos os inovadores é “onde inovar?” Para as empresas que oferecem suporte de nível superior para os seus programas de inovação empresarial, o ponto de partida para responder esta pergunta será o nível C da empresa. Como inovadores, precisamos entender a direção e a ambição geral daqueles que comandam as empresas em que trabalhamos. Isto nos permite oferecer uma direção para os esforços de inovação para o resto da empresa, garantindo que as ideias que desenvolvemos têm uma casa, e mais importante, têm a atenção das pessoas com orçamento. Cada ponto de foco torna-se uma área de Inovação Estratégica.

Quatro principais razões para focar a empresa em um conjunto de Áreas de Inovação Estratégica:

  1. Diversidade de opiniões – Entendemos que diferentes perspectivas ajudam a garantir que sejam criados conceitos melhores e mais arredondados. No entanto, convidar diversas opiniões significa incluir aqueles além das equipes de especialistas centrais. Ao agrupar as atividades de inovação, podemos explicar o contexto global em que estamos a trabalhar, educar não-especialistas para que possam aplicar melhor as suas competências centrais para oportunidade.
  2. Ganhando apoio – As taxas de adoção de ideias geradas a partir de esquemas abertos de sugestão variam dramaticamente daquelas geradas através de esforços de inovação orientados. KLM citou na “Front-End of Innovation Conference 2013” uma melhoria de 10X na adoção de ideias pelo estabelecimento de campanhas de ideias. Gerar ideias que nunca são adotadas pode ser um exercício fútil como encontrar apoio é comprovadamente um desafio para a maioria das organizações.
  3. Proteção da sua iniciativa de inovação – Inovar em um vácuo incorre o risco de cortes no financiamento e mudanças na abordagem de inovação, a menos que possamos mostrar como os conceitos que estamos desenvolvendo ajudarão a atender às necessidades da empresa.
  4. Orçamento e Recursos – O caminho mais rápido para ter uma ideia financiada é garantir que seja possível realizar com os orçamentos atuais e os recursos disponíveis. Podemos ter uma inovação que vai nos ajudar a crescer 100% no próximo ano, mas se não podemos nos dar ao luxo de financiá-la, ou tornar os recursos disponíveis, haverá desafios em adotá-la no ritmo que gostaríamos.

Os argumentos apresentados acima podem dar sentido a por que devemos estabelecer um conjunto de Áreas de Inovação Estratégica e alinhar todos os nossos esforços nesse sentido, no entanto, existem alguns desafios a serem considerados.

Vamos precisar de um portfolio de opções para que quando ocorram mudanças em nosso mercado ou empresa já tenhamos ideias a recorrer.

Alguns programas de inovação empresarial levam tempo para se desenvolver, eles não necessariamente começam no nível C e, portanto, pode ser mais difícil garantir o alinhamento. No entanto, ainda devemos buscar estabelecer áreas de inovação estratégica a tempo. Primeiro alinhando com as necessidades dos responsáveis táticos e, em seguida, desenvolver esse alinhamento a um conjunto de agrupamentos comuns para os esforços de inovação conforme mais e mais padrinhos táticos venham a bordo.

Algumas destas questões e sugestões sobre a forma como eles podem ser superados estão listadas abaixo:

  1. E os fatores externos? Se buscamos as ideias apenas em lugares onde sabemos que temos desafios e oportunidades, como podemos encontrar conceitos que são mais radicais e podem oferecer oportunidades de crescimento mais significativas? Considere um “portfolio equilibrado” de atividades. Defina a lista de áreas de inovação estratégica, em seguida, conceda uma parte desse espaço para atividades mais radicais. No entanto, garanta que você tenha um processo eficaz para gerenciar o que você recebe e esteja preparado para descartar uma grande quantidade de conteúdo enviado.
  2. Como as empresas conservadoras podem ver os caminhos alternativos a menos que oferecemos algo realmente novo? Muitas vezes a questão da adoção de algo novo é que nos obriga a parar de fazer outra coisa. Em empresas conservadoras, isto é suscetível de causar consternação e desconforto à medida que nos distanciamos de opções percebidas que são de natureza mais segura. Considere o portfolio de mercado atual em termos de potencial de crescimento, custo, risco e atratividade de mercado, como faria com qualquer nova atividade. Isso vai ajudar a comparar o novo e velho e ajudar na tomada de decisões sobre o que parar mais fácil para justificar, aceitar que há risco com todas as opções, incluindo fazer nenhuma mudança.
  3. E as ideias que vamos precisar no futuro? CEOs esclarecidos vão entender que é preciso inovar em toda uma gama de horizontes temporais. Olhar depois de hoje é sempre crucial, mas também precisamos inovar para as necessidades futuras. Vamos precisar de um portfolio de opções para que quando ocorram mudanças em nosso mercado ou empresa já tenhamos ideias a recorrer. Salve todas as ideias e conceitos, você nunca sabe quando eles podem se tornar atraentes.

Resumo


Inovar sem alinhamento para aqueles com orçamentos e recursos é provável retardar a adoção de novas ideias e limitar o seu impacto. A abordagem preferida sendo adotada por um número de empresas é a de chegar a acordo sobre um conjunto de Áreas de Inovação Estratégica com o nível C. Estas são usadas ​​para educar os não-especialistas sobre as necessidades e os objetivos centrais e focar a atenção da empresa sobre as questões que ganharão apoio mais facilmente. Isto tem a vantagem de aumentar a participação na inovação empresarial conforme os empregados têm maior confiança de que as ideias e os conceitos serão efetivamente avaliados e os melhores conteúdos adotados

Por: Colin Nelson | Tradução por: Filipe Costa

Sobre o Autor


Colin Nelson é Diretor de Consultoria Estratégica em HYPE Innovation. Colin é um especialista e líder no assuno, ajudando clientes a envolver sua empresa para apoiar os programas existentes ou recém-criados sobre Inovação, Redução de Custos e Transformação em Negócios. Clientes recentes incluem Abbot Labs, BASF, General Mills, Metso & Swisslog.

Foto : Golden coins in soil de Shutterstock.com

Ad

STAY CONNECTED

 
Ad