Fundos de PI – Potencial de Quebrar o Azar?

Fundos de PI de indústrias não específicas podem ajudar a empurrar a inovação? Podemos preencher a lacuna entre as indústrias e regiões para fornecer um lugar de reprodução sistemática de invenções com visão de futuro? Gunjan Bhardwaj explora.

Lemos muito sobre empresas em diversos setores não serem capazes de criar produtos radicais. Às vezes, o tamanho é questionado como um possível impedimento à inovação, talvez injustamente, pois não é o tamanho, em vez da ordem de complexidade em grandes empresas que impede a inovação radical intrínseca. Às vezes, no entanto, é a sua incapacidade de conectar os nós desconectados em seus ecossistemas como, apesar de sua experiência global e tecnológica, bem como alcance, as grandes organizações são também as mais lentas para agenciar ideias.

Para as organizações menores, é a escala que risca fora o lado negativo. É também a matemática de conseguir ideias direito contra elas, em particular, após a sua primeira ideia de sucesso. Como uma empresa iniciante cresceu de uma tecnologia que elas nem têm a experiência em todo o comprimento e largura de tecnologias nem sempre a capacidade ou habilidade para absorver ou agenciar. Alcance global é difícil por causa dos recursos estensos. Cegueira desatenciosa – ou miopia gerencial explicada em meu blog é ainda mais grave como as pequenas empresas simplesmente não podem se dar ao luxo de cometer erros e os olhos do gerenciamento estão grudados aos negócios diários. No entanto, é bom que eles não são “acostumados” às formas de fazer as coisas de maneiras específicas, como as grandes empresas.

Recentemente, um CEO de uma empresa farmacêutica perguntou a mim e a membros de sua equipe: “Se você fosse para dirigir uma empresa farmacêutica hoje, quem você contrataria?”. Respostas variaram de uma pessoa de marketing para um cara de P&D a um assistente executivo. A minha era simples “Um gestor de fundos de PI!”. Prima facie, esta resposta pode parecer engraçada, mas o pensamento por trás era tão simples como a própria resposta. Se alguém pudesse trazer escala e perspicácia profissional para investir em PI de forma estratégica e agenciá-la entre domínios tecnológicos e geografias, poderia muito bem abrir um tesouro de valor em indústrias que vivem à jusante, explorando inovações passadas.

Alguém poderia argumentar que isso não é novo, pois fundos Venture e Anjos fazem-no o tempo todo. Não é verdade já que eles chegam um pouco mais tarde na cadeia de valor e as suas capacidades também são diferentes. Também as empresas (normalmente grandes) que têm tentado fazer isso usando seus grandes fundos de risco internos também são diferentes – como elas não estão livres de problemas explicados acima, e há também o desafio pertinente ao poder em suas respectivas indústrias e muito menos competição.

Uma espécie de arbitragem de Invenção entre regiões e indústrias, que pode reduzir os custos de transação para inovar e melhorar a eficácia das tecnologias radicais…

Imagine uma grande Farma chegando a uma pequena Farma ou uma empresa de biotecnologia para conversações sobre uma Nova Entidade Molecular (“New Molecular Entity – NME”) específica ou uma ou outra patente. Desde o início, na maioria das vezes, a mentalidade na pequena empresa é a de ser explorada e na grande organização a de exploração. Isso pode ser verdade para um grande Fundo de PI também, mas nem tanto visto que um Fundo de PI pode não ser projetado para ter poder de mercado em um setor específico. Além disso, os Fundos de PI também podem beneficiar pesquisadores em universidades e organizações de pesquisa, fornecendo um lugar de criação sistemática para comercializar suas invenções. Sociedade como um todo seria beneficiada no momento em que podem ser trazidas para fora até mesmo aquelas invenções que não parecem ter compradores tradicionais, com modelos de negócios inovadores – um tipo de arbitragem  de invenção entre regiões e indústrias, que pode reduzir os custos de transação para inovar e melhorar a eficácia das tecnologias radicais ao empregar a mesma onde houver maior benefício.

Um Fundo de PI chamado Intellectual Ventures fundado pelo ex-chief technology officer da Microsoft Nathan Myhrvold, levantaram capital de investidores individuais e grandes empresas, incluindo Microsoft, Cisco, Intel, Verizon, Sony e Apple, e formaram parcerias com universidades e organizações de pesquisa ao redor do mundo incluindo os principais institutos nos países emergentes. Intellectual Ventures descrevem-se como um líder global no negócio de invenção e dono de uma das maiores carteiras de patentes e de crescimento mais rápido do mundo. Eles afirmam estar criando um mercado ativo para a invenção que conecta compradores, vendedores, e inventores por:

  • Empregar inventores talentosos que trabalham em novas invenções para ajudar a resolver alguns dos maiores problemas do mundo.
  • Adquirir invenções de inventores e empresas individuais e combiná-los em portfólios de mercados específicos, que são licenciados de forma ampla.
  • Aliar com nossa rede internacional de mais de 3.000 inventores e ajudá-los a monetizar suas invenções.

Pode-se ver que Intellectual Ventures vai um passo além da intermediação de invenções em entre regiões, bem como domínios de tecnologia e utilizando perspicácia profissional em acumular PI monetizável, em também empregar inventores talentosos para solução dos maiores problemas do mundo – problemas a serem resolvidos e apoiados por modelos de negócios, mas com um benefício social maior. Há muitos outros Fundos de PI agora, porém na maior parte ligados ao PI em uma indústria específica.

A questão de saber se Fundos de PI vão quebrar o azar radical serão respondidas apenas em alguns anos, porém com alguma regulação são certamente um passo na direção certa.

Por: Gunjan Bhardwaj | Tradução por: Filipe Costa

Sobre o Autor

Gunjan Bhardwaj é editor sênior e membro da equipe de revisão em Innovation Management. Gunjan está atualmente com o Boston Consulting Group e um pouco antes disso, ele era o líder do Global Business Performance Think-tank da Ernst & Young. Gunjan é também professor convidado para Gestão de Crescimento e Inovação na European Business School (EBS) na Alemanha e membro do conselho científico do Plexus Institute nos EUA que pesquisa sobre a complexidade em ciências da saúde. Gunjan publicou uma série de documentos e artigos em vários jornais e revistas e tem sido palestrante frequente em conferências sobre marketing e inovação. Os pontos de vista e ideias expressas por Gunjan em InnovationManagement.se são estritamente pessoais e não têm qualquer relação com BCG.
Ad

STAY CONNECTED

 
Ad