Como Lidar com os Problemas de Confiança Criados por Inovação Aberta

Garantir boas ideias por meio de processos de inovação aberta e crowdsourcing está estimulando a diferenciação e o crescimento para as empresas que fazem direito, mas está também gerando um problema de confiança? O desenvolvimento de ideias em um ambiente aberto está empurrando alguns criativos para longe. Maxine Horn da Creative Barcode, dá uma luz para a "proteção aberta" e um ambiente de ideias mais rico para a empresa.

Outro dia, eu doei alguns trocados para um jovem que dizia ser sem-teto. Ele estava pedindo dinheiro para qualquer um que passasse, estava chovendo e ele estava encharcado, por isso, entreguei-lhe algum dinheiro. Será que eu me senti bem com isso? Não, realmente. Isso me fez pensar se ele estava simplesmente se aproveitando da minha boa natureza – particularmente pois eu o havia visto antes em um caixa eletrônico, com um telefone celular na mão.

No entanto, o incidente me fez pensar sobre as decisões éticas que as pessoas fazem em suas vidas pessoais e profissionais, e como tais decisões podem ter impacto sobre os outros.

A tomada de decisão ética nunca é mais pertinente do que quando aplicada a todos aqueles que, particularmente em um ambiente de inovação aberta, usem conceitos comerciais, ideias e proposições de outras pessoas sem permissão ou recompensa. Isso é ético? É melhor do que tirar dinheiro de outra pessoa sob falsos pretextos?

Por que eles fazem isso? Bem, a resposta é simples: “porque eles podem”. Existem poucas, se alguma, regras formais para dizer que eles não podem. Nenhuma regra, além da ética pessoal, está lá para evitar a apropriação indébita.

Então por que a experiência comercial de criadores especializados – designers industriais, consultores digitais, gráficos e de marcas, inventores, cientistas, tecnólogos, engenheiros de design digital e outros profissionais de inovação – não é muito mais amplamente reconhecida, alimentada e celebrada, e por que as melhores práticas éticas não formam o a malha da nossa recente cultura de negócios aberta?

Inovação Aberta não é verdadeiramente aberta – ela pode ser uma ameaça

No atual ambiente dos negócios, negócios cada vez mais precisam de ideias sobre as melhores formas de desenvolver serviços e produtos, apresentar marcas ou interagir com os usuários. Estas não são tarefas de P&D. São tarefas criativas. A inovação aberta e o progresso que ela promete requer talento criativo.

No entanto, há uma afirmação crescente de que “ideias” são gratuitas e abundantes – sem valor até que elas sejam comercializadas. Isso desvaloriza os profissionais das indústrias criativas dos quais as empresas precisam: desvaloriza seus talentos, educação, anos de experiência prática, conhecimento e know-how.

Igualmente, estamos cada vez mais inclinados para uma visão equivocada de que as ideias de uma pessoa são tão boas quanto as de qualquer outra pessoa. Criativos estão sendo convidados a participar do trabalho com a multidão. Mas onde temos crowdsourcing nós realmente precisamos de negociação com base em ética, confiança e permissão em torno de ideias produzidas profissionalmente. Este é um novo ponto de partida para a comunidade de inovação aberta, mas ela é necessária e urgente.

Sem isso, livre para todas as atitudes coloca uma barreira quase intransponível para participação da Inovação Aberta sem dúvida do grupo mais inovador e qualificado em todo o processo de inovação. E tudo o que é necessário para remover essas barreiras é a proteção aberta, baseada na confiança.

A empresa é incentivada pela Inovação Aberta a jogar rápido e solto no lado criativo dos negócios

Muitas empresas se envolvem em inovação Aberta, incentivando a apresentação de ideias conceituais originárias de fora de suas próprias empresas. No entanto, por uma questão de princípio elas muitas vezes insistem que só verão ideias protegidas por patentes ou realizarão reuniões não confidenciais com pessoas criativas, onde todas as ideias estão sobre a mesa, desprotegidas.

Em um mercado global onde se estima que 70% de toda a inovação incremental e radical não está sujeita à proteção de patentes, como elas poderiam esperar explorar a inovação corretamente (e respeitosamente)?

E daquelas ideias que são, ou podem se tornar, sujeitas à proteção de patentes, a maioria valerá muito menos – ou provarão inúteis – se desenvolvidas sem consultar parceiros para entrada no mercado e concordar em acordos de co-criação.

A confiança no argumento de “domínio público” como uma desculpa para a apropriação indevida de ideia simplesmente não pode continuar. O domínio público foi não oficialmente estendido para incluir encontros entre criadores e parceiros para entrada no mercado em potencial – em outras palavras, reuniões e negociações de negócios confidenciais.

O domínio público é exatamente o que diz que é – “público” – e inclui exposição de mídia, exposições, conferências e seminários; sites de redes sociais e outras plataformas públicas. Afirmar que isso se aplica a discussões de negócios é estender para muito longe.

Alguns proprietários de marcas estão tentando usar atividades de inovação aberta, tal como crowd sourcing como um meio para solicitar criatividade orientada a solução para a sua marca, embalagem, portfólio de produtos digitais e novos. Como tal, alguns são acusados ​​pelas indústrias criativas profissionais de exploração.

Tais práticas são consideradas pelas indústrias criativas como “free-pitching” e crowd sourcing profissional, com base na nova moda para a inovação aberta, está levando a um nível ainda mais elevado de exploração.

Se é para uma sociedade de inovação aberta existir adequadamente (e eu acredito que deve, e logo), então os modelos de negócios de comércio entre os criadores profissionais, empresas e investidores simplesmente tem que mudar. Porque na inovação aberta atual não é verdadeiramente livre, é apenas entreaberta. Já existe uma folga se estabelecendo.

Associações Comerciais Profissionais estão revidando e aconselhando seus membros a não participar no que é considerado por muitos como práticas de aquisição preguiçosas e exploradoras em vez de verdadeira inovação aberta. Nesse contexto, muitos acreditam que crowd sourcing devem ser restrito a ideias de cliente/usuário, filtrada e gerida por profissionais das empresas da indústria criativa, em parceria com os proprietários da marca. E a maioria de 2D profissional e empresas digitais que ganham a vida com criatividade orientada a solução em taxas de serviços atualmente acredita que a inovação aberta é uma ameaça para o seu sustento e não deve ser utilizada como um modelo de aquisição de criatividade

Eles estão certos? Bem, sim e não.

Não, porque as atividades de inovação aberta seriam beneficiadas significativamente com a participação dos profissionais criativos indiscutivelmente mais talentosos do mundo.

Sim, porque o modelo de participação e recompensas atual carece de clareza e é muito desequilibrado e, portanto, explorador. As recompensas são muitas vezes puramente baseadas RP ou RP mais recompensa monetária abaixo do mercado. Em outras palavras, uma atitude desrespeitosa para com a criatividade enquanto o tempo, dinheiro e habilidades dos Criadores beneficiam o consumidor final e trazem recompensas financeiras e de fidelização da marca para a empresa.

Atividades de inovação aberta foram desenvolvidas como uma forma de permitir que qualquer entidade externa, grande ou pequena, traga suas ideias inovadoras para a atenção de empresas corporativas. Ao fazê-lo, empresas corporativas teriam a oportunidade de selecionar conceitos inovadores para comercializar, complementar as suas próprias actividades de P&D e concluir acordos mutuamente aceitáveis ​​de licenciamento, royalty, taxas de desenvolvimento por meio de compra definitiva.

Atividades de inovação aberta não foram projetadas para substituir os contratos tradicionais de criatividade orientada a solução para satisfazer as necessidades de marca, digitais, embalagem, publicidade e desenvolvimento de produtos de uma empresa. IA não deve ser usada exclusivamente como um meio de ganhar centenas de soluções criativas para as necessidades baseadas em marketing, a menos que a oportunidade e o modelo de remuneração ofereça significativamente maior recompensa do que taxa para serviços, não significativamente menor.

O setor de design thinking e criatividade

Designers e criadores de todo o mundo continuam sendo um dos setores de indústria de crescimento mais rápido.

No entanto, as indústrias criativas são dominadas por dois extremos opostos. As grandes empresas criativas que têm a estrutura e os formas para proteger seus direitos de propriedade intelectual através de meios tradicionais, e as cada vez menores micro empresas e o crescente mercado freelance, que não têm.

Só no Reino Unido há mais de 30.000 empresas criativas e mais de 300 mil agentes autônomos incluindo designers de todos os tipos, escritores, criadores de conteúdo, desenvolvedores web, engenheiros, fotógrafos, músicos e assim por diante.

Os dois elementos freelancers e micro empresas têm em comum a sua criatividade e a sua vulnerabilidade em um ambiente de negócios Davi e Golias.

O número combinado de micro empresas criativas e agentes freelance em todo o mundo somam alguns milhões.

Mas se empresas aproveitarão essa riqueza de talento criativo, então a vulnerabilidade vivida da exposição de conceitos precisa ser significativamente reduzida através de políticas de troca seguras e éticas.

Existe um caso de negócios para a ética?

Absolutamente.

De modo geral, os indivíduos e as empresas das indústrias criativas não desejam lançar novas empresas ou marcas concorrentes. Em vez disso, a maioria deseja co-criar e colaborar com parceiros de entrada no mercado e desfrutar de recompensas comerciais em termos éticos e eqüitativos. Elas simplesmente desejam respeito comercial para suas ideias, experiência e know-how baseados no conhecimento. E eles vão dar mais do que 100% de esforço em troca.

E é aí que a proteção aberta pode ajudar a inovação aberta alcançar seu pleno potencial.

Precisamos de um debate ativo em torno da questão de diretrizes éticas para uma cultura de inovação aberta. Em meio a toda a conversa alegre de crowd sourcing para inovação aberta em produtos e sociedades criativas, temos de puxar as rédeas e perguntar sobre a negociação baseada em confiança e permissão. O que é uma cultura de troca baseada em plena confiança e permissão? –

É, provavelmente, muito menos complexa do que as pessoas possam imaginar.

Os convertidos à IA precisam entender a diferença fundamental entre “ideias inventivas” orientadas à tecnologia, que podem ser protegidas por patente e as cerca de 70% da inovação orientada a solução focada no usuário mais comumente associada com as indústrias criativas profissionais e cada vez mais, as equipes co-criação multi-disciplinares.

Esses três grupos operam sob diferentes modelos de remuneração que variam de taxas de serviços de risco compartilhado, licenciamento, royalties e compra externa de PI.

Dependendo de qual(is) grupo(s) de geradores de ideia os praticantes de IA optam por se envolver, os termos de compromisso e remuneração devem se adequar.

Comum a todos os grupos são uma exigência por termos justos em vez de exploradores e, no caso dos grupos orientados a criatividade sem patente; existe um desejo para a proteção não-complexa e papelada mínima.

Proprietários de marcas ocupados têm mais probabilidade de ter um desejo para o mesmo. Papelada legal complexa segura ou até mata progresso onde um sistema de proteção aberta baseado em acordo de confiança poderia significativamente ampliar e acelerar o progresso.

Deixe o debate de ética começar e um modelo de Troca Justo dominar a aquisição de ideia. Afinal, quem nunca ouviu falar de uma péssima ideia sendo desviada e comercializada?

Por: Maxine Horn | Tradução por: Filipe Costa

Sobre o Autor 

Maxine é a fundadora e foi CEO da British Design Innovation (BDI), a associação comercial para designers e inovadores de 1993 a janeiro de 2011, que teve um papel no reconhecimento e promoção de James Dyson (Dyson Vacuums), Trevor Baylis (Wind Up Radios) e Jonathan Ives (Apple). Ela iniciou Criative Barcode e escolheu a dedo a equipe de co-criação em 2009 e lançou no final de setembro de 2010. Em menos de seis meses, Creative Barcode recebeu atenção mundial e é regularmente citado lado a lado como compatível, mas a alternativa de, Creative Commons criado há mais de uma década, e beneficiando-se de £5 milhões por ano, patrocínio de Google e Microsoft. Com de mais de 20 anos de experiência nos setores de design, inovação e transferência de conhecimento nas indústrias criativas, ela é membro consultivo de UKIPO B2B Strategy Group.

Ad

STAY CONNECTED

 
Ad