Reforço ao Poder Criativo do Cérebro e Criar o Melhor Ambiente para Inovação

O pensamento criativo pode ser treinado e um ambiente para a inovação pode ser propositadamente construído. Muitas vezes, atormentado por um sentimento de urgência e pressão, o escritório moderno não parece ser a oportunidade ideal de incubação para a inovação - mesmo havendo estratégias que podem ser usadas ​​para desafiar as probabilidades. Então, como vamos maximizar as capacidades neurológicas do cérebro em meio ao ocupado ambiente de trabalho contemporâneo?

Meu filho está praticando seu malabarismo na minha frente. Ele está constantemente me interrompendo para mostrar o seu mais novo truque. A princípio um pouco agitado às interrupções, me dei conta de que esta é uma grande oportunidade de aprendizado, e comecei a pensar em como pode ser desafiador aprender malabarismo. Como é que o meu filho pode ser tão competente em habilidades malabares – demonstrando competentemente malabarismos com quatro bolas e fazendo truques especiais – enquanto outros, como eu, parecem não ter as habilidades básicas de jogar e pegar?

Parece haver algum talento inato envolvido, mas é claro que muitas horas de prática são necessárias, juntamente com a coragem de continuar a falhar e tentar novamente, mais e mais, até que quase se torna uma segunda natureza. Como muitos malabaristas dirão, eles finalmente chegam ao ponto em que não precisam mais olhar para a projeção completa da bola.

“O pensamento criativo não é apenas um talento inato. Ele pode ser efetivamente desenvolvido com atenção focada e boas estratégias.”

Da mesma forma, o pensamento criativo não é simplesmente um talento inato. Ele pode ser efetivamente desenvolvido com atenção focada e boas estratégias. Mas as organizações hoje estão fornecendo as oportunidades para desenvolver essas habilidades?

Meu parceiro e eu tenho trabalhado com centenas de grupos internacionais em todos os níveis para explorar os bloqueios fundamentais para o pensamento criativo. Nós descobrimos que a menos que o ambiente certo seja criado (fisicamente, emocionalmente, mentalmente e culturalmente), pode ser muito difícil para que as pessoas tenham a oportunidade de desenvolver as suas capacidades criativas. Com o tempo, aprendemos que pode haver uma perda significativa na capacidade criativa quando ela simplesmente não é utilizada. Como um músculo que atrofia se não for exercitado, a mente criativa enfraquecerá. Ainda pior do que isso, as influências negativas podem surgir onde não há um ambiente de apoio, e uma espiral destrutiva descendente pode acontecer.

“Como um músculo que atrofia se não for exercitado, a mente criativa enfraquecerá.”

Temos metaforicamente referido a esses bloqueios ambientais negativos e mentais como os “assassinos” de pensamento criativo e inovação, e exploramos o que está acontecendo em nível neurológico e cultural quando a criatividade é impedida e a inovação obstruída. Esse processo nos ajudou a identificar como lidar com esses “assassinos”, e como construir forças criativas.

Treinar o cérebro

Uma área de pesquisa do cérebro que revela a nossa capacidade de aprender o pensamento criativo é a crescente evidência de que o cérebro é, de fato, plástico (o livro de Norman Doidge “The Brain that Changes Itself”, 2007, é uma excelente introdução a este conceito). Aparentemente, o cérebro não está completamente ligado com caminhos neurais específicos que são predefinidos de acordo com o código genético e, então estabelecidas para a vida. Pesquisa acumulada apoia a ideia de que é possível “reprogramar” o cérebro em qualquer fase da vida para formar conexões novas e variadas.

O cérebro também tem sido considerado plástico o suficiente para permitir que áreas específicas sejam reforçadas e construídas ao longo do tempo. Isso deveria nos dar a esperança de que mesmo quando sentimos que estabelecemos padrões de pensamento enraizados e modos habituais de perceber e de se comportar, não estamos presos a esses hábitos para a vida.

“Todas as pessoas, ele acredita, têm a capacidade de pensamento criativo, que é influenciado por suas interações com o meio ambiente.”

O neurocientista Rex Jung, da Universidade do Novo México, acredita que cerca de 40% da nossa criatividade vem da nossa genética e 60% de influências ambientais. Todas as pessoas, ele acredita, têm a capacidade de pensamento criativo, que é influenciado por suas interações com o meio ambiente. Mesmo se não for incentivada desde cedo, esta capacidade pode ainda ressurgir mais tarde na vida.

A Professora Teresa Amabile de HBS argumenta: “Um mito sobre a criatividade é que ela está associada a personalidade ou gênio de uma pessoa em particular – e, de fato, a criatividade depende em certa medida de inteligência, experiência e talento de um indivíduo. Claro que sim. Mas ela também depende do pensamento criativo como uma habilidade que envolve qualidades tais como a propensão para assumir riscos e para virar um problema de cabeça para baixo para obter uma nova perspectiva. Isso pode ser aprendido.”

Recrutar redes criativas do cérebro

Rex Jung concluiu que aqueles que diligentemente praticam atividades criativas aprendem a recrutar redes criativas de seu cérebro mais rápido e melhor. Estudos em pensamento criativo mostram que as crianças com baixos níveis de pensamento divergente que continuam a exercitar esses “músculos” de criatividade podem superar outras com níveis mais altos que não o fazem. É possível “reprogramar” o cérebro em qualquer fase da vida para formar conexões novas e variadas. Ele também pode ser fortalecido e construído ao longo do tempo. Quando isto é feito ao longo de uma vida, os padrões neurológicos do cérebro são gradualmente mudados.

O conceito de “treinamento cerebral”, que já foi pensado para ser um nicho de mercado para as pessoas com Alzheimer ou outros problemas cognitivos, é agora tão popular que “academias cerebrais” tornaram-se negócios de milhões de dólares. Empresas como a Lumosity criaram jogos e outros produtos para melhorar o desempenho do cérebro, para os quais há uma demanda universal em todos os níveis demográficos. Cerca de 14 milhões de pessoas em mais de 180 países agora se inscrevem para o site da Lumosity ou instalam os seus aplicativos para dispositivos móveis. Uma empresa de pesquisa de mercado que acompanha especificamente o desenvolvimento na área de exercícios para o cérebro prevê que este mercado crescerá para ao menos US$ 2 bilhões até 2015.

Alternando à vontade

A capacidade de mudar rapidamente entre os pensamentos convergente e divergente também é crítica, e a boa notícia é que isso também pode ser aprendido. Através do desenvolvimento de programas de formação que alternam períodos de intenso pensamento convergente com o pensamento divergente máximo, repetidamente em etapas, uma série de estudos tem mostrado que os padrões cerebrais mudaram e capacidade de pensamento criativo maior surgiu. (Bronson & Merryman, 2010)

Estudos com músicos de jazz improvisando têm sido particularmente interessantes nesta área. Músicos bem treinados são capazes de desativar sua junção temporoparietal direita, o que é geralmente envolvido na leitura de estímulos de entrada e classificando-os para relevância. Ao desligar isso e, portanto, bloquear as distrações, eles são capazes de atingir níveis superiores de concentração e, portanto, trabalhar com a música mais espontaneamente. Outros indivíduos treinados, que também têm demonstrado a capacidade de mudar para essa maior engrenagem de concentração incluem dançarinos, comediantes e oradores – e atletas também. Aprender a desativar esta parte do cérebro, portanto, pode ajudar no desenvolvimento criativo.

Mover-se de “zona vermelha” para a “zona azul”

A outra área a considerar é como podemos garantir que o ambiente organizacional seja relaxado o suficiente para apoiar o desenvolvimento criativo. Quando o cérebro está sob estresse, a resposta emocional primitiva “desligamento” é acionada como um mecanismo de enfrentamento, movendo-o rapidamente para o que tem sido chamado de “zona vermelha” (Mowatt, Corrigan & Long, 2010). As pessoas neste estado estão menos propensas a perceber as implicações de emoções negativas e menos probabilidade de ser capazes de gerenciá-las, e há muitas vezes associação a ansiedade, medo, raiva, angústia e/ou culpa. Quando as emoções da “zona vermelha” são expressas, muitas vezes têm impacto negativo sobre as relações pessoais e de trabalho, desligando o estado relaxado e aberto necessário para o pensamento criativo. Precisamos aprender como controlar estas respostas cerebrais de forma mais eficaz, para que possamos acessar o córtex pré-frontal com mais facilidade e garantir que permanecemos na “zona azul” aberta do livre-pensamento.

Estresse prolongado também pode levar a mudanças estruturais no cérebro. A liberação contínua de corticosteróides pode mudar os neurônios e suas sinapses no hipocampo e no córtex pré-frontal medial (McEwen, 2007). Estes produzem deficiências em memória laboral e espacial, e pode levar a um aumento da agressão. Eles também podem levar a déficits no striatum, o que pode enviesar estratégias de tomada de decisão e diminuir a flexibilidade – uma qualidade fundamental para o pensamento criativo. Sob estresse, o cérebro retornará a padrões mais conservadores de pensamento e ao funcionamento rígido habitual da memória à custa de memória mais flexível “cognitiva”.

Se você combina essas novas teorias interessantes com algo conhecido – que o estresse pode “diminuir” ou “desligar” áreas importantes do cérebro para que não possam mais ser acessadas eficazmente – torna-se claro que induzir um estado de relaxamento é crítico para estimular o pensamento criativo. É importante ser capaz de acessar níveis mais profundos e mais abrangentes do cérebro, a partir do hipocampo até o córtex pré-frontal. Quanto mais relaxado o indivíduo e quanto mais “aberta” a mente, mais facilmente essas conexões mais amplas podem ser feitas. Com efeito, permite a percepção consciente de ser libertada de tarefas urgentes e diretas para pensamento mais aberto e divergente (Fredrickson, 2001).

A loucura de multitarefa

Considere o desafio da multitarefa no local de trabalho moderno – imagine o estresse que está impondo ao cérebro. O vício em e-mail e mensagens de texto pode não só ser perigoso para a sua saúde mental, mas pode diminuir o QI duas vezes de forma tão eficaz como o vício em maconha! (Knight, 2005). Romper com uma tarefa por meio de interrupções ou distrações pode ter o mesmo impacto no funcionamento inteligente como perder uma noite de sono (notícias BBC, abril de 2005). O trabalhador médio perde 2,1 horas de tempo produtivo por dia pulando de uma tarefa para outra. Seu cérebro precisa se concentrar para ser realmente produtivo, e quando seu cérebro perde o foco, pode demorar 25 minutos para voltar a plena produtividade.

O vício em e-mail e mensagens de texto pode não só ser perigoso para a sua saúde mental, mas pode diminuir o QI duas vezes de forma tão eficaz como o vício em maconha!

Nossos cérebros simplesmente não estão preparados para lidar com múltiplas fontes de entrada. A fim de processar informações precisamos de foco, e é difícil para o cérebro para absorver muito se lhe for necessário constantemente desligar, reiniciar e refocar em uma nova mensagem. Toda vez que desligamos uma tarefa para abrir uma nova, perdemos dados da primeira tarefa e também perdemos informações da segunda. Experimentos semelhantes reproduziram estes resultados repetidamente.

Parece que as pessoas altamente criativas são capazes de utilizar o processamento não-consciente de ideias inovadoras mais do que outras pessoas, e é isso que as distingue da maioria. Depois de uma pausa, pessoas chegam a soluções mais divergentes do que quando se trabalha de forma contínua em um problema. As pessoas altamente criativas são capazes de utilizar este tempo de processamento não-consciente de forma mais eficaz do que outras fazem. Todos nós podemos utilizar esses processos espontâneos, dando o tempo ao cérebro para “incubar” e, assim, acessar ambas as soluções emocionais e cognitivas que podem ter sido anteriormente indisponíveis para consciência. Isso pode nos permitir utilizar plenamente as capacidades do cérebro, aprender e treinar o pensamento criativo. (Galato de 2010)

Mude o jogo

O pensamento criativo requer um estado relaxado, a capacidade de considerar opções em um ritmo lento e a abertura para explorar diferentes alternativas sem medo, por isso é fundamental que o ambiente organizacional seja cuidadosamente avaliado para garantir que haja ótimas oportunidades para o pensamento criativo.

Então, o que mudanças podem ser feitas para melhor apoiar o pensamento criativo na organização?:

  • Incentivar a intenção de criar: Tornar o processo criativo divertido, interessante e relevante, e dar tempo e oportunidades dedicadas para o desenvolvimento criativo. Apresentar oportunidades de aprendizagem especiais para desenvolver o pensamento criativo, e utilizar exercícios que estimulem o pensamento divergente.
  • Ensinar otimismo e auto-confiança: Revelar os padrões de pensamento que podem levar ao pensamento aberto, ao invés de fechado. Estabelecer uma cultura na qual os funcionários são tratados com respeito e se sentem confortáveis para explorar novas ideias, para garantir o pensamento criativo não seja desligado.
  • Fornecer plataformas para ideias criativas: Estes são lugares onde todas as ideias são incentivadas e apoiadas, onde as pessoas podem se sentir orgulhosas do que conseguem alcançar e podem aprender a apresentar essas ideias com confiança.
  • Permitir a funcionários oportunidades para “dar um tempo”: Oferecer intervalos programados – introduzir atividades como yoga ou meditação!
  • Incentivar tempo programado de projeto focado: Oferecer oportunidades para entrar no “fluxo” criativo de um projeto sem interrupções. Incentivar acoplar o tempo suficiente para que não se estimule a multitarefa.

Já decidi que vou precisar incentivar meu filho a continuar a desenvolver a sua paixão pelo malabarismo – e tomar o tempo para me desafiar a tentar malabarismo também!

O que você vai fazer para apoiar o seu próprio desenvolvimento criativo e para garantir que o pensamento criativo seja suportado na sua organização?

Por: Gaia Grant | Tradução por: Filipe Costa

Sobre o Autor

Gaia Grant, é a co-autora de “Who Killed Creativity?… And How Can We Get It Back?” (Jossey Bass / Wiley), e Fundadora e Diretora Executiva da consultoria Tirian International. Gaia tem trabalhado extensivamente com uma variedade de clientes auxiliando no desenvolvimento criativo e inovação através de coaching, workshops, facilitação, consultoria e palestra. Alguns dos clientes executivos de Gaia: BASF, Four Seasons Hotels, JP Morgan, Baker & McKenzie, Newmont Mining, Optus & Visa.

 

Foto: The Power of Mind de shutterstock.com

Ad

STAY CONNECTED

 
Ad