Qual é o Seu Foco na Inovação?

Muitas vezes, há de repente uma necessidade urgente de algo novo. Precisamos inovar. Mas o que estamos procurando? Se isso não está claro, como você pode chegar a novos conceitos que vão fazer todo mundo feliz?

Você nunca deve iniciar uma expedição inovação despreparado. Boa preparação aumenta as chances de sucesso porque cria prioridades, direção e objetivo para ter sucesso. Por isso é essencial iniciar sua jornada de inovação com uma atribuição clara e concreta para a inovação. Começar com uma atribuição obriga a gerência sênior a ser concreta sobre o grupo de mercado-alvo para o qual devem ser desenvolvidas as inovações e os critérios que devem ser cumpridos. Isto forma as diretrizes para sua equipe de ideação quando estão em andamento. No capítulo três do meu novo livro “The Innovation Expedition“, que você pode baixar junto deste artigo, há um formato acessível para formular a atribuição da inovação com a ajuda das seis perguntas seguintes:

  1. Por que? (Por que queremos inovar?);
  2. Quem? (Quem é o público-alvo?);
  3. Onde? (Para quais canais de distribuição, países, regiões ou continentes)
  4. O que? (Evolução ou revolução: produtos, serviços ou modelos de negócio)
  5. Quando? (Ano de introdução previsto)
  6. Qual? (Que critérios os novos conceitos devem atender?)

O propósito de um workshop com foco em inovação é responder as perguntas acima, juntamente com a alta administração. Muitas vezes, ainda não se definiu quais critérios os novos conceitos devem atender. Portanto, nos ajuda a fazer algumas perguntas. Na prática, você percorrerá um longo caminho com as oito perguntas seguintes:

  1. Volume de negócios (Turnover). Quanto volume de negócios o novo conceito deve realizar durante os três primeiros anos? Ou, se novos produtos competem com os produtos existentes, quanto volume de negócios extra deve ser realizado?
  2. Lucro. Qual a margem de lucro o novo conceito deve realizar?
  3. Novo. O novo conceito deve ser novo para o mercado, novo para o país ou novo para o mundo?
  4. Apelo. Quão atrativo e pioneiro para o grupo-alvo o novo conceito de produto precisa ser?
  5. Promoção. Até que ponto queremos que o conceito de produto crie buzz e hype entre os clientes potenciais?
  6. Posicionamento. Até que ponto o novo conceito de produto deve ajustar-se ao posicionamento de marca atual?
  7. Produção. Será que produzimos o novo produto nós mesmos (com nossas próprias instalações de produção) ou podemos formar parcerias de produção?
  8. Alinhamento estratégico. Até que ponto o novo conceito de produto deve se ajustar à estratégia de negócios da organização?

Assim, em sua discussão com a gerência sênior, você vai formular coletivamente os critérios para os novos conceitos de produtos, bem como determinar os níveis de ambição.

Abaixo, está um caso real de atribuição para inovação na Sanoma Media Holanda. Sanoma é um grupo europeu líder na área de mídia com operações em 20 países e um volume de negócios de €3 bilhões. Libelle e Margriet, duas das principais revistas femininas semanais na Holanda, são ambas marcas importantes para os resultados da Sanoma Media Holanda. Infelizmente, o mercado de revistas impressas atingiu o seu pico e está em declínio. Isso é mais do que motivo suficiente para olhar para além dos próximos 12 meses. É também por isso que a Sanoma quer explorar como estender essas marcas populares além do mercado de mídia atual. Seria viável utilizar as marcas Libelle e Margriet para lançar novos conceitos em um mercado completamente novo? Sanoma elaborou uma atribuição muito concreta no início do seu processo de inovação.

Caso – Atribuição de Inovação para Sanoma Media

Idealizar novos produtos e/ou serviços para a Sanoma Media introduzir com sucesso nos Países Baixos; usando as marcas Margriet e Libelle em mercados de consumo novos ou existentes com os valores da marca existentes para o presente grupo-alvo de mulheres.

Estamos à procura de pelo menos três novos conceitos que, individualmente, realizarão um potencial de vendas anual de €25 milhões, com uma margem de lucro de pelo menos 25 por cento. Os novos conceitos devem atender a uma necessidade concreta e ser atraentes, distinto e confiável para o grupo-alvo. Eles devem se encaixar nos valores das marcas Margriet e Libelle. Devem ser viáveis e o risco do negócio deve estar dentro dos limites administráveis. Para realizar os novos conceitos e aumentar a viabilidade; parcerias ou joint ventures com outras empresas provavelmente serão firmadas. Nosso objetivo é introduzir novos conceitos no mercado dentro de dois anos.

Esta atribuição para inovação traça objetivos claros e comunica perfeitamente as expectativas da gerência sênior para os membros da equipe de inovação. Ao baixar o capítulo, você encontrará um formato útil para formular a sua própria atribuição para inovação. Boa sorte.

Por: Gijs van Wulfen | Tradução por: Filipe Costa

Interessado nos capítulos anteriores? Por favor clique aqui

Sobre o Autor

Gijs van Wulfen (Holanda 1960) ajuda organizações a iniciar inovação efetivamente, como autor, palestrante e facilitador.
Ele é fundador de método de inovação FORTH. Com FORTH ele cria produtos e serviços inovadores atraentes com equipes multidisciplinares. Em seu livro ‘The Innovation Expedition’ ele torna a inovação acessível ao contar a história de forma visual. Seus clientes são empresas internacionais em indústria e serviços, assim como organizações sem fins lucrativos. Gijs também treina e certifica facilitadores em seu método.

Ele é palestrante em conferências internacionais de inovação e foi escolhido pelo LinkedIn como um dos 150 Thought Leaders.

Foto: fishes in group leadership concept de shutterstock.com

Ad

STAY CONNECTED

 
Ad